sábado, 15 de março de 2014

DOENÇAS PREVALENTES DA POPULAÇÃO NEGRA.

AS DOENÇAS QUE AFETAM MILHÕES DE AFRODESCENDENTES NO BRASIL SÃO: ANEMIA FALCIFORME; MIOMA UTERINO ; HIPERTENSÃO ARTERIAL; DIABETES MELLITUS TIPO II ; DST / .AIDS. A ANEMIA FALCIFORME É UMA DOENÇA ORIGINÁRIA DA ÁFRICA. SÃO TRÊS OS TIPOS: SENEGAL – NÃO É GRAVE BENIN – É GRAVE BANTO – É A MAIS GRAVE E A QUE OCORRE MAIS FREQUENTEMENTE NO BRASIL. DOENÇA HEREDITÁRIA MAIS COMUM ENTRE AS PESSOAS DA RAÇA NEGRA. NO BRASIL, A ANEMIA FALCIFORME É UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA, QUE AFETA MILHÕES DE PESSOAS E APRESENTA ALTOS ÍNDICES DE MORTALIDADE. A PREVALÊNCIA DE PORTADORES DO TRAÇO FALCÊMICO NA POPULAÇÃO NEGRA É DE 6 A 12%, ENQUANTO QUE NA POPULAÇÃO EM GERAL É DE APENAS 2%. SEGUNDO ESTIMATIVA DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, A CADA ANO NASCEM NO BRASIL CERCA DE 2.500 CRIANÇAS FALCÊMICAS, O QUE CORRESPONDE A UMA EM CADA 1.000 NASCIDAS VIVAS E EM CADA 1.000 CRIANÇAS VIVAS, 30 SÃO PORTADORAS DO TRAÇO FALCÊMICO. MIOMA UTERINO TAMBÉM CONHECIDO POR LEIOMIOMA FIBRÓIDE DO ÚTERO OU FIBROMA. O MIOMA UTERINO É UM TUMOR BENIGNO CAUSADO PELO CRESCIMENTO ANORMAL DAS CÉLULAS DA PAREDE INTERNA DO ÚTERO (MIOMÉTRIO). SURGE NA IDADE REPRODUTIVA, EM GERAL EM MULHERES COM MAIS DE 30 ANOS, E PODE REGREDIR NA MENOPAUSA. OS SINTOMAS MAIS COMUNS SÃO ALTERAÇÃO NO PESO, HEMORRAGIA E DORES PÉLVICAS. HIPERTENSÃO ARTERIAL DE MANEIRA GERAL A HIPERTENSÃO É MAIS FREQUENTE, MAIS GRAVE, NOS HOMENS. NO BRASIL AS DOENÇAS VASCULARES E CIRCULATÓRIAS SÃO AS QUE MAIS CAUSAM MORTES. A INCIDÊNCIA ESTÁ AUMENTANDO ENTRE MULHERES, PARTICULARMENTE ENTRE AS NEGRAS. SEGUNDO O SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE/ DATASUS, AS DOENÇAS HIPERTENSIVAS, QUE ATINGEM MAIS AS MULHERES NEGRAS, SÃO RESPONSÁVEIS POR UM TERÇO DAS MORTES MATERNAS. DIABETES MELLITUS TIPO II O DIABETE É UMA DOENÇA CRÔNICA DE CARÁTER DEGENERATIVO E DE FUNDO GENÉTICO MULTIFATORIAL, COM REPERCUSSÕES DELETÉRIAS EM TODO O ORGANISMO. DOENÇA PROVOCADA PELA DEFICIENTE PRODUÇÃO DE INSULINA (HORMÔNIO QUE PROMOVE A METABOLIZAÇÃO DOS CARBOIDRATOS),PELO PÂNCREAS. A DE TIPO I É TALVEZ A MAIS CONHECIDA: ATINGE AS PESSOAS DESDE A INFÂNCIA OU JUVENTUDE E TEM COMO PRINCIPAL TRATAMENTO A ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA. ESTE TIPO É PREVALENTE NAS PESSOAS BRANCAS. JÁ A DE TIPO II NÃO É INSULINO-DEPENDENTE E É PREVALENTE EM PESSOAS NEGRAS. É UMA EPIDEMIA EM EXPANSÃO NO MUNDO E UMA CAUSA IMPORTANTE DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ( CUJO TRATAMENTO É HEMODIÁLISE E TRANSPLANTE RENAL), POIS NA POPULAÇÃO DIABÉTICA A HIPERTENSÃO É DUAS VEZES MAIOR DO QUE NA POPULAÇÃO EM GERAL.AS MULHERES PORTADORAS DESTE TIPO DE DIABETES CORREM RISCOS SÉRIOS NA GRAVIDEZ. D S T / AIDS: AS DST ( DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS) ACOMPANHAM A HISTÓRIA DA HUMANIDADE. DURANTE A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA. AS DST ACOMETEM PESSOAS DE TODAS AS CLASSES, SEXO E RELIGIÃO. NO TEMPO DA GRÉCIA ANTIGA FORAM CHAMADAS DE DOENÇAS VENÉREAS, COMO RAFERÊNCIA A VÊNUS A DEUSA DO AMOR. AS DST SÃO ATUALMENTE UM GRANDE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL, PRINCIPALMENTE PORQUE FACILITAM A TRANSMISSÃO DO HIV, O VÍRUS QUE CAUSA A AIDS, TENDO PORTANTO UMA PARCELA DE RESPONSABILIDADE PELA ATUAL DIMENSÃO DA EPIDEMIA DA AIDS. SÃO CAUSADAS POR VÍRUS, BACTÉRIAS E PARASITAS.: VIRUS: VERRUGAS GENITAIS, HERPES GENITAL, HEPATITE B E A INFECÇÃO PELO HIV (O VIRUS DA AIDS) QUE SÃO TRANSMITIDAS PELA VIA SEXUAL. A HEPATITE B PODE SER TRANSMITIDA POR SANGUE INFECTADO E DA MULHER GRÁVIDA INFECTADA PARA O FILHO ( DURANTE A GESTAÇÃO, PARTO OU AMAMENTAÇÃO). AS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS PODEM TRAZER GRAVES CONSEQUÊNCIAS À SAÚDE DO HOMEM, DA MULHER E DOS BEBÊS. MEIOS DE TRANSMISSÃO: RELAÇÕES SEXUAIS, TRANSFUSÕES DE SANGUE, DROGAS INJETÁVEIS, GESTAÇÃO, MÃE SOROPOSITIVO, BEIJO PROLONGADO (COM PORTADOR DO HIV), ACIDENTES HOSPITALARES, TRATAMENTOS ODONTOLÓGICOS, DOAÇÃO DE ÓRGÃOS, CONTATO FÍSICO (LESÕES COM SECREÇÕES E FLUÍDOS ORGÂNICOS DE PORTADORES DO HIV). AS ESTATÍSTICAS DA OMS (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE), INDICAM MAIS DE 370.000 CONTAMINADOS NO PLANETA. ÁFRICA, BRASIL, TAILÂNDIA E ÍNDIA SÃO OS PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE CONTAMINADOS WWW.BIONLINE.NET/BIO-INDICE A-AIDS.HTM. - WWW.ADOLESITE.AIDS-G

Um comentário:

  1. O blog está excelente. Poderia, todavia, retirar o "ranço" revolucionário que, no fundo, tenta colocar negros contra brancos. O Brasil não precisa desse "ranço": precisa de equalização entre os cidadãos e isso pouco tem a ver com a cor da pele. O Brasil trouxe 3,3 milhões de negros (estatística verdadeira nos livros) - em 350 anos de escravidão - mas morreram 3,5 milhões de nordestinos somente entre 1978 a 1983 (cinco anos de Grande Seca) e não houve, nem há, um "movimento" contra esse genocídio comprovado pelo próprio IBGE (vide o livro "Os Sertaníadas"). O motivo da mortandade é a pobreza e o classismo - ambos adubados pela elite política (e não pela elite econômica). Jamais pelo racismo. Os poucos casos de racismo enquadram-se como "crime", como já está na Lei e, então, basta aplicá-la. Por outro lado, o "sangue negro" é fragilizado, hereditariamente, por várias doenças - e isso, sim - precisa de uma atenção muito especial. As negras, no correr da História, evitam casamentos com negros, preferindo mulatos e isso leva ao branqueamento. Nada a ver com "racismo": é apenas a seleção da descendência mais apta. Por isso, o Brasil é "moreno" - muito acertadamente. Há mais "racismo provocados" pelos militantes racistas do que pela sociedade. Há milhões de casais de negros com esposa branca - e vice versa - vivendo harmonicamente. O Brasil merece elogios pela seu "morenismo", ao invés de continuar açulando militantes contra raríssimos casos de racismo que - repita-se - apenas são casos de polícia. Por favor, melhorem esse blog, cancelem o "sofrimento dos negros", mostrem as vitórias, as conquistas, os sucessos dos negros, pardos, morenos em geral. Sofrimento por sofrimento, então os sertanejos nordestinos, os amazonenses e tantos outros segmentos, sofrem muito mais - na modernidade, que os negros que estão, a rigor, morando nas grandes metrópoles, cobertos por dezenas de benefícios do "papai-governo".

    ResponderExcluir

Segure e lance

Segure e lance